quarta-feira, 14 de abril de 2010

Mais uma cerca do latifúndio é rompida em Minas Gerais


Movimento dos Trabalhadores Sem Terra
Zona da Mata – Minas Gerais

Trabalhadores e trabalhadoras rurais do MST - Zona da Mata, anunciamos que nessa madrugada rompemos a cerca do latifúndio "antiga fazenda Fortaleza de Sant’Anna", localizada em Goianá. Munidos de laudo do INCRA, que declara a fazenda como improdutiva, ou seja, não cumpridora de sua função social, contamos com a solidariedade de todo o povo mineiro.
A proposta de Projeto Popular para o campo tem como desafios eliminar a pobreza no meio rural, combater a desigualdade social e a degradação da natureza, garantir a soberania alimentar com alimentos saudáveis, preservar a biodiversidade animal, vegetal e cultural em todos os territórios, garantindo a participação igualitária das mulheres e dos homens.
A ocupação desse latifúndio abre nossa jornada de lutas em MG. Esperamos que todos os Lutadores e Lutadoras do Povo contribuam divulgando o ato e cobrando das autoridades a imediata desapropriação das terras improdutivas da "antiga fazenda Fortaleza de Sant’Anna".
Somos 50 famílias de camponeses sem terra dessa região do estado de Minas, aliados com diversos setores da sociedade que, assim como nós, acreditam que a reforma agrária é uma Luta de todos.
A ousadia dos trabalhadores(as) organizados(as) pelo MST, em romper a cerca dessa fazenda é impulsionada pela história de trabalho escravo e de degradação dos recursos naturais. Somente os camponeses serão capazes de serem guardiões da natureza e da cultura desse território.
Brigada Manuel Marulanda - Zona da Mata MG
Acampamento Denis Gonçalves,
Goianá, 25 de março de 2010.
A Reforma Agrária é uma luta de todos!
PÁTRIA LIVRE, VENCEREMOS!

3 comentários:

Ivan Silveira disse...

O radicalismo sempre leva a lugar nenhum.
Veja o exemplo de países radicais, nunca conseguem dar o próximo passo.

Paulo Lucio disse...

MST não é um movimento radical, é um movimento que luta por causas sociais.

Todo ato do MST é contra os poderosos, pessoas que enriqueceram escravizando e roubando o povo.

Enquanto não fizer uma reforma agrária, dividir as riquezas vamos ter miséria, pobreza e violência.

Em Cataguases sabemos que algumas famílias ainda dominam a cidade. Esses tem terras para tudo que é lado. Terras que não são produtivas, enquanto um monte de gente sem ter um lugar para viver.

Radicalismo é mandar e desmandar na cidade. Ter muito mas não dividir.

Alberto Silva Correa disse...

Causas sociais? Quais em causa própria?
Entende como causas sociais a derrubada de cercas de propriedades produtivas? Ou a busca de pedaços de terra para a venda ilegal?
E o quer dizer com LIVRES VENCEREMOS?
Esqueceu que está vivendo em um País com liberdade? ou acha que está em Cuba ou Venezuela?
Isso esta me parecendo no mínimo falta de localização...